Cientistas do Technion inovam para tentar curar diabetes

Especialistas do Technion propõem engenharia de tecidos para tratar diabetes tipo 2. Experimentos em camundongos mostram níveis normais de açúcar no sangue prolongados após um único tratamento.

A doença, causada pela resistência à insulina e redução da capacidade das células de absorver açúcar, é caracterizada por níveis elevados de açúcar no sangue.

Suas complicações de longo prazo incluem doenças cardíacas, derrame cerebral, danos à retina que podem resultar em cegueira, insuficiência renal e fluxo sanguíneo insuficiente nas extremidades, o que pode levar a amputações.

Atualmente é tratada com uma combinação de mudanças no estilo de vida e medicamentos e injeções de insulina. Mas, em última análise, leva a uma redução de 10 anos na expectativa de vida.

Orientada pela professora Shulamit Levenberg, a estudante Rita Beckerman apresenta uma nova abordagem de tratamento, que usa um autoenxerto de células musculares projetado para absorver açúcar em taxas mais altas.

Os camundongos tratados desta forma mostraram níveis normais de açúcar no sangue durante meses após um único procedimento.

As descobertas do grupo foram publicadas recentemente na Science Advances.

As células musculares estão entre os principais alvos da insulina e devem absorver o açúcar do sangue.

Após esse tratamento, os ratos permaneceram curados do diabetes por quatro meses. Este é o tempo todo em que estiveram sob observação. Seus níveis de açúcar no sangue permaneceram mais baixos e eles tiveram níveis reduzidos de fígado gorduroso, normalmente observados na diabetes tipo 2.

Atualmente, cerca de 34 milhões de americanos, pouco mais de 1 em cada 10, têm diabetes, 90% deles com diabetes tipo 2.

O mesmo método também pode ser usado para tratar vários distúrbios de deficiência enzimática.

Fonte: latamisrael

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *