Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Dispositivo israelense reduz risco de infecção hospitalar

ISRAEL Dispositivo israelense reduz risco de infeccao hospitalar

Criado por Moris Topaz, chefe de cirurgia plástica no Centro Médico Hillel Yaffe, em Hadera (Israel), o TopClosure, é um mecanismo que ajuda no fechamento e na cicatrização de feridas pós-traumáticas, cirúrgicas, agudas e crônicas na pele. Agora ele está sendo usado na cirurgia de órgãos vitais para salvar vidas, o que permite uma recuperação mais rápida e reduz o risco de infecção.

O produto contém dois clipes presos à pele em cada lado de uma ferida conectada por um cabo que é apertado, selando a ferida aberta. Usado por profissionais médicos em hospitais, ele trabalha primeiro esticando a pele ao redor da ferida para evitar a necessidade de enxertos de pele e, segundo, certificando-se de que a ferida cicatriza adequadamente. Este procedimento atenua as desvantagens dos métodos de costura tradicionais que incluem alta tensão na pele, dificuldade de aplicação e estética da pele após a recuperação.

Feito com um polímero especial que provou ser durável e de suporte para a sutura, TopClosure é projetado especificamente para entrar em colapso pouco antes de muita tensão começa a rasgar os tecidos da pele, como costurar grandes feridas. O único método é susceptível de melhorar significativamente a prática da sutura atual: ela pode ser usada antes da cirurgia para preparar incisões na pele, durante a cirurgia para aliviar a tensão na pele e após a cirurgia como suporte adicional em conjunto com pontos.

Moris Topaz explica: “Nossas principais conquistas estão na aplicação do TopClosure em soluções inovadoras para lesões de tecidos moles, abdome aberto em trauma, infecção profunda da ferida esternal na cirurgia cardiotorácica e lesão por pressão tecidual”. Com TopClosure, é possível economizar muito tempo na hospitalização de pacientes, cirurgias e antibióticos, bem como materiais como malhas e enxertos de pele. “Isso é crucial na África e em outros países em desenvolvimento, onde os antibióticos são bastante limitados”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[yuzo_related]

Rolar para cima