Sauditas removem parte de referências antissemitas dos livros didáticos

Um relatório da IMPACT-se – um grupo de monitoramento baseado em Jerusalém -constatou que houve uma redução significativa do conteúdo antissemita e antissionista nos livros da Arábia Saudita para o próximo ano letivo.

O relatório veio em meio a conversas recentes sobre uma possível normalização de relações entre Israel e a Arábia Saudita, como parte de uma mudança regional em que países do Golfo – Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos – normalizaram laços com o Estado judeu. Na semana passada, o assessor especial do presidente Donald Trump, Jared Kushner, disse que a normalização entre Israel e a Arábia Saudita é “inevitável”.

“Embora o relatório não tenha revelado a inclusão de novo conteúdo sobre tolerância houve uma remoção de uma quantidade substancial de material ofensivo”, disse a IMPACT-se, que analisou o material educacional.

O grupo constatou que os livros não incluem mais uma previsão religiosa de uma guerra na qual os muçulmanos matariam todos os judeus – uma profecia que disse ter servido como base para muitas das atitudes antissemitas no mundo muçulmano.

E a clássica narrativa antissemita de que os judeus, identificados como “forças sionistas”, usam métodos vilões, incluindo dinheiro, mulheres e drogas para controlar o mundo, foi removida.

“Examinando a linha de tendência de nossos relatórios de 2002, 2008 e até 2019 do currículo saudita, fica claro que esses novos livros didáticos de 2020 representam um esforço institucional para modernizar o currículo do Reino”, disse o CEO da IMPACT-se, Marcus Sheff. “As autoridades sauditas começaram um processo de erradicação do ódio anti-judaico”, observou.

As atitudes em relação a Israel estão se tornando “mais equilibradas e tolerantes”, disse o grupo no comunicado. Como exemplo, observou a remoção de um capítulo inteiro intitulado “o perigo sionista” que deslegitima o direito de Israel de existir.

De forma mais geral, a maioria das referências à jihad foi removida, enquanto uma década atrás o foco do currículo era preparar os alunos para o martírio, concluiu o grupo. “Apesar disso, o conteúdo anti-Israel ainda permanece no currículo”, observou IMPACT-se.

O ódio aos judeus ainda está presente, incluindo uma história “descontextualizada e ambígua” sobre judeus “malfeitores”, que são descritos como macacos.

Israel ainda não está legitimado e não aparece nos mapas da região, enquanto o sionismo é retratado como um movimento político racista. O nome “Israel” é substituído por “inimigo sionista”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *