Sobrevivente do Holocausto tem história eternizada pelo Museu de Anne Frank

Sobrevivente do Holocausto, Frida Kornbluth faleceu na semana passada. Ela tinha 12 anos quando, com sua mãe, foi levada compulsoriamente para um campo de concentração em Moguelov (Transnistria), na Romênia. Ambas sobreviveram à fome, ao frio extremo e ao tifo. Após quase três anos, com o término da II Guerra Mundial, foram libertadas.

Sua história de vida faz parte do conteúdo do Museu de Anne Frank, em Amsterdam, que está disponível aqui (acesse o link).

Seu marido, Moisés Kornbluth Z”L, também passou por campos de concentração. Trechos valiosos das histórias dos dois estão relatados nos vídeos abaixo, que contêm depoimentos dados por eles para o projeto de preservação da memória de Steven Spielberg. Os arquivos completos estão no site do Yad Vashem.

Frida era irmã de Mina Seinfeld de Carakushansky, ativista da comunidade judaica do Rio de Janeiro, e deixa um grande legado de sabedoria e resiliência para seus filhos, noras, netos e sobrinhos.

Vídeo 1: acesse
Vídeo 2: acesse
Vídeo 3: acesse

HOMENAGEM

Foi com muita emoção que Tsvi e Gideon Kornbluth organizaram um encontro por Zoom com familiares e amigos de todas as partes do mundo em homenagem à sua querida mãe Frida Seinfeld de Kornbluth Z”L

O evento contou com um Shiur muito interessante e profundo realizado pelo Rabino Eitan Waisman, da Sinagoga Unión Israelita de Caracas, com o tema “Os Dez Mandamentos nos falam”.

As palavras do rabino foram iluminadas e inspiradoras como o diálogo entre dois homens. Um deles diz: “te dou um dólar se me disser onde Deus está”. E o outro respondeu: “te dou dois dólares se você me disser aonde ele não está”.

Tsvi e Gideon enfatizaram que Frida sempre foi a melhor esposa, a melhor mãe, a melhor irmã, a melhor sogra, a melhor avó, a melhor tia, a melhor amiga, a melhor vizinha e a melhor empregadora.

Sempre se preocupava primeiro com os demais e, somente então, pensava em si.

Como exemplo, sempre quando fazia um jantar em sua casa para muitos convidados, sua maior preocupação era servir primeiro os empregados e, somente depois, levar a comida à mesa. Ela tinha receio de que depois da festa não sobrasse alimento suficiente para quem trabalhava em sua casa. O mesmo aconteceu até os últimos dias de vida, quando ela se sentava à mesa e não começava a comer até que a sua cuidadora começasse a comer junto com ela.

Tsvi e Gideon disseram que tudo isso lhes foi transmitido em sua educação e eles conseguiram cuidar tão bem de sua mãe porque aprenderam com ela como ela cuidou tão bem de seu pai David Seinfeld Z”L

O ALEF NEWS transmite à Tsvi e à Gideon Kornbluth, suas esposas Nathalie e Ruthy e filhos, assim como à Mina Seinfeld de Carakushansky (irmã de Frida) e a todos os familiares todo o seu apoio e carinho em memória da inesquecível e inigualável Frida Seinfeld de Kornbluth Z”L.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *