Com base em cartas do pai de Hitler, historiador tenta decifrar como Adolf se tornou um ditador

Junto com outras fontes, 31 cartas recém-encontradas ajudaram o historiador austríaco Roman Sandgruber a escrever o primeiro volume de “Pai de Hitler: como o filho se tornou um ditador” e trazer novos insights sobre o meio em que o tirano nazista cresceu.

Elas foram escritas por Alois Hitler a um oficial de manutenção de estradas chamado Josef Radlegger, sobre a venda por este último de uma casa de fazenda na vila de Hafeld para Alois em 1895, quando Adolf tinha seis anos.

“Elas não são apenas cartas sobre negócios, há uma atmosfera muito familiar entre os dois correspondentes e há muita desavença de família”, disse Sandgruber. Embora Alois fosse conhecido por ser um “chefe de família muito tirânico”, Sandgruber disse que as cartas também oferecem algum vislumbre de simpatia em sua vida doméstica.

Para Alois, sua esposa Klara era mais do que a “dona de casa silenciosa” – mais tarde descrita por Adolf em Mein Kampf – e uma das poucas pessoas sobre as quais tinha algo de positivo a dizer. Sandgruber acredita que ela tinha sido “uma mulher totalmente emancipada, como diríamos hoje”.

“Pode-se presumir que ela certamente tinha uma palavra a dizer na casa”, observou Sandgruber, especialmente quando se tratava de questões financeiras. “Minha esposa tem o entusiasmo e a compreensão necessários para as finanças”, escreveu Alois em uma das cartas.

Além disso, as cartas são um testemunho da ascensão de Alois na sociedade austríaca e de seu sonho de se tornar um importante homem do campo com sua própria fazenda.

O novo tesouro de documentos poderia nunca ter visto a luz do dia se a aposentada Anneliese Smigielski não tivesse decidido limpar e isolar seu sótão alguns anos atrás. Ela sempre soube que seu tataravô Radlegger vendeu propriedades para Alois Hitler, e não ficou particularmente surpresa ao encontrar as cartas entre mais de 500 outras, todas meticulosamente guardadas em caixas.

Smigielski sabia dos trabalhos anteriores de Sandgruber sobre a história da Alta Áustria e entrou em contato com ele em 2017, pensando que ele seria capaz de fazer algum uso delas.

Embora Alois seja conhecido por ter feito declarações antissemitas quando ele próprio se envolveu com a política mais tarde na vida, Sandgruber teme fazer muitas conexões diretas entre a política do pai e a de seu filho.

Ele diz que a influência importante sobre Adolf foram as correntes de pensamento racista e antissemita que estavam presentes de forma mais geral na Áustria de sua infância.

No entanto, Sandgruber disse que a única característica que sem dúvida unia os dois era “a influência muito forte de serem autodidatas”.

“O resultado disso é que, como o pai, o filho desprezava todos aqueles que haviam feito uma carreira escolar regular – acadêmicos, notórios juízes e, posteriormente, até oficiais militares”, disse ele. “Ele achava que só ele era o gênio”, acrescentou Sandgruber.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *