Elvis Presley era judeu?

Sim, o “Rei do Rock and Roll” tinha raízes judaicas. Um grande caixote permaneceu fechado em um armazém por mais de 40 anos, ocultando um fato pouco conhecido sobre um dos ícones culturais dos EUA.

Dentro estava a lápide da mãe de Elvis Presley, Gladys, que tinha sido armazenada nos arquivos de Graceland junto com 1,5 milhão de outros itens desde 1977. E no lado superior esquerdo está uma estrela de David muito invisível – desenhada pelo próprio Elvis.

A lápide, que foi retirada do depósito apenas em 2018, está agora em exibição no amplo complexo em Memphis, onde Elvis viveu de 1957 até sua morte prematura, 20 anos depois, aos 42 anos. Ela fica no Jardim de Meditação de Graceland, fora do mansão e a poucos metros da própria sepultura de Elvis.

Histórias da herança judaica de Elvis circulam há muito tempo. Com a lápide agora em exibição pública e uma placa que proclama a “herança judaica de Gladys”, quaisquer dúvidas remanescentes podem finalmente ser desfeitas.

“Havia muito mistério em torno disso”, disse Angie Marchese, vice-presidente de arquivos e exposições de Graceland, e aquela que teve a ideia de revelar a lápide de Gladys no 60º aniversário de sua morte, em parte para dissipar dúvidas sobre a origem judaica de Elvis. “A estrela está lá, então isso responde a muitas perguntas que circulavam por ai”.

Marchese diz que a tataravó materna de Elvis era judia e se chamava Nancy Burdine. Pouco se sabe sobre ela, mas acredita-se que sua família emigrou para os EUA na época da Revolução Americana vinda do que hoje é a Lituânia. De acordo com Ancestry.com, Burdine nasceu no Mississippi em 1826 e morreu em 1887.

A bisneta de Burdine foi Gladys Love Smith, que se casou com Vernon Presley em 1933. Dois anos depois, Gladys deu à luz Elvis em Tupelo, Mississippi. A família mudou–se para Memphis quando Elvis tinha 13 anos.

Os Presleys viveram em um apartamento logo abaixo de onde vivia a família do Rabino Alfred Fruchter, o primeiro diretor da Academia Hebraica de Memphis. O filho do rabino, Harold, que agora mora em Maryland, disse que Elvis na verdade serviu como o “Shabat goy” dos Fruchters, um não-judeu que realiza tarefas domésticas para judeus praticantes durante o sábado judaico. Fruchter disse que seus pais “nunca tiveram a menor ideia” de que Elvis tinha raízes judaicas.

Elvis era especialmente próximo de sua mãe, que morreu de insuficiência cardíaca em 1958 aos 46 anos. Inicialmente, Elvis a enterrou em um cemitério público em Memphis. Sua lápide estava marcada com uma cruz.

Mas Marchese diz que seis anos depois, Elvis substituiu a lápide por uma projetada de acordo com suas especificações. O novo marcador apresentava uma estrela de David de um lado e uma cruz do outro, juntamente com as palavras “Sunshine Of Our Home” gravadas entre elas.

O que levou Elvis a incluir a Estrela de Davi na lápide de sua mãe? Marchese não tem certeza, nem mesmo quando Elvis soube da herança judaica de sua mãe. Mas ela diz que “a fé judaica o consolou quando ele buscava respostas” para ajudá-lo a lidar com sua morte.

Após uma tentativa de roubar o corpo de Elvis de um cemitério de Memphis, Vernon Presley transferiu os restos mortais de seu filho e esposa para Graceland por razões de segurança. A lápide de Gladys com a estrela de Davi foi guardada. E lá permaneceu até que Marchese sugeriu que fosse colocado em exibição pública.

“Achamos que seria uma ótima maneira de homenagear sua herança judaica, bem como homenageá-la”, disse Marchese, que trabalha na Graceland há 32 anos e é um dos maiores especialistas do mundo na família Presley. “Achamos que é o que Elvis desejaria”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *