Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

“Escape the room” inspirado no Holocausto choca judeus na Grécia

Jogo inspirado no Holocausto choca judeus na Grécia


Na Grécia, o game “A lista de Schindler”, um jogo de estilo “escape the room”, está causando indignação na comunidade judaica. O clamor levou a empresa responsável pela sala, a Great Escape, a mudar o nome para “Agente secreto”. Porém, o objetivo continua o mesmo: elaborar uma lista de pessoas que serão poupados de uma morte terrível por forças inimigas.

Embora o jogo não faça referência explícita aos judeus ou ao Holocausto, as descrições em sites gregos atraíram jogadores ao desafiá-los a ajudar o alemão Oskar Schindler a “salvar o máximo possível de pessoas inocentes da perseguição das forças da SS em Cracóvia, na Polônia. A Grécia é a sede de um dos grupos neonazistas mais violentos da Europa, o Golden Dawn, que recebe regularmente cerca de 8% dos votos do país e é considerado o terceiro maior partido político.

As autoridades do Conselho Central de Comunidades Judaicas da Grécia foram enfáticas ao condenarem o game. “Não se trata só de antissemitismo. O sucesso desse jogo depende da ignorância que varre a sociedade grega. Pergunte e a maioria dos gregos vai dizer que Schindler foi uma espécie de estrela do rock ou jogador de futebol”, afirma o diretor Victor Eliezer. “Tudo que eu desejo é que eles façam uma viagem a Auschwitz para sentir, mesmo por uma fração de segundo, o terror da morte em um campo de concentração alemão. Só então pode haver esperança de que eles não mais degradarão o sofrimento humano”.

Ativistas nos Estados Unidos também compraram a briga. “Pegar uma experiência como o Holocausto, que foi desumanizante para as vítimas, e torná-la um jogo banaliza não apenas o episódio, mas também o sofrimento que ele causou”, afirma Victoria Barnett, diretora do Museu Memorial do Holocausto.

O controverso jogo sobre o Holocausto foi lançado primeiro em Salonica, a segunda maior cidade da Grécia. Antes da Segunda Guerra Mundial, o local abrigava uma das maiores comunidades de judeus do mundo, o que lhe rendeu os apelidos de “Mãe de Israel” e “Jerusalém dos Bálcãs”. No auge do conflito, mais de 44 mil judeus foram deportados para campos de concentração na Europa central. Apenas poucos sobreviventes retornaram à cidade, que perdeu 96% de sua comunidade judaica. “Não podemos esquecer. Não devemos esquecer. Não deveríamos esquecer”, diz David Saltiel, presidente do Conselho Central de Comunidades Judaicas da Grécia.

Não é a primeira vez que um “escape game” evoca o Holocausto. Em 2016, uma empresa holandesa se baseou num dos episódios mais sombrios da história do mundo para criar uma sala inspirada no bunker da Anne Frank, local onde a adolescente judia ficou escondida com sua família em Amsterdã antes de ser pega pelas forças nazistas e levada a um campo de extermínio.

Em 2017, o conselho judaico grego protestou contra “Auschwitz”, outro “escape game” que, dessa vez, levou jogadores a um campo de concentração em Galatsi, nos arredores de Atenas.

[yuzo_related]

Rolar para cima