Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Brasileiro reúne relatos para lutar contra a negação do Holocausto

relatos

Eles estão cada vez mais enfraquecidos com o envelhecimento. Mas, em suas vozes cansadas, a força do argumento, do testemunho e, muitas vezes, da alegria ressoa mais alto. Vibrante, em defesa da vida. Os sobreviventes dos campos de concentração nazistas resistiram também para contar uma história de atrocidades. Com a nobre missão de fazer com que ela nunca mais se repita.

Enquanto ainda estiverem vivos, o relato deles é o mais direto. É a prova viva do sofrimento. Mas, em breve, quase todos tendo mais de 90 anos, não estarão mais aqui para testemunhar. Com essa preocupação, o produtor brasileiro judeu Eduardo El Kobbi está filmando depoimentos de pessoas que sobreviveram ao nazismo na Segunda Guerra Mundial. Ele é presidente do KKL Brasil, um braço do KKL israelense, organização de preservação do meio ambiente voltada também a causas humanitárias.

El Kobbi já acumula 5 mil fotos e mais de 35 horas de gravação. Com as imagens, está produzindo um documentário e uma exposição itinerante, intitulados “Rostos do Holocausto”. O objetivo é levar a exposição a locais públicos, de cada cidade onde ocorrerem concertos regidos pelo maestro italiano Francesco Lotoro, com músicas compostas em campos de concentração. Este é outro projeto que ele está apoiando.

A primeira exposição será no próximo dia 21, no foyer do auditório do Memorial da América Latina, em São Paulo, quando Lotoro regerá a Orquestra Jazz Sinfônica na apresentação destas músicas. Será a abertura da comemoração dos 75 anos de libertação dos campos de concentração. Todos os entrevistados deverão comparecer.

“Toda semana gravo com um sobrevivente. Há depoimentos incríveis e emocionantes. Enquanto temos sobreviventes, temos mais força para combater a mentira dos que negam. Mas é uma missão permanente da humanidade fazer com que a gente nunca se esqueça do que aconteceu no Holocausto. Não só para os judeus, mas para a humanidade. Foi uma vergonha que deve ser lembrada para que nunca se repita”, diz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[yuzo_related]

Rolar para cima