Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Especialista israelense: na medicina do futuro, médicos darão atendimento virtual

Na medicina do futuro



Em um futuro não muito distante, as pessoas que ficarem doentes poderão consultar um médico virtual sem a necessidade de se dirigirem a clínicas ou hospitais. De acordo com suas necessidades, elas passarão a receber em suas casas, através de drones, kits com dispositivos para tirar sangue e analisar as amostras. Através de aplicativos no celular, os médicos virtuais checarão a visão, a respiração ou a voz para investigar possíveis doenças específicas. Após detectada alguma anomalia, o paciente será encaminhado ao hospital para avaliação com especialista.

Esses cenários foram apresentados recentemente em uma reunião de investidores e empreendedores realizada nos arredores de Jerusalém pelo aMoon Partners, um fundo de capital de risco apoiado pelo bilionário israelense Marius Nacht, que investe em empresas do setor de saúde digital, de tecnologias médicas e biofarmacêuticas que operam em Israel, bem como outros centros de tecnologia em saúde, nos EUA e na Europa. Uma das principais conclusões do encontro foi a necessidade de se ampliar os investimentos em tecnologia no setor da saúde para atender a uma demanda crescente da população em busca de atendimento médico.

Israel abriga cerca de 1.600 empresas voltadas para o setor de saúde que empregam mais de 83.000 pessoas, e a indústria atraiu o recorde de US$ 1,5 bilhão em 2018, 25% a mais que no ano anterior, de acordo com relatório divulgado pela Israel Advanced Technology Industries (IATI), organização da indústria de alta tecnologia e ciências da vida em Israel.

“O caminho para a saúde digital é agora, mais do que nunca, fazer com que as pessoas trabalharem juntas. Essa é a mensagem. É trabalhar em conjunto nas diferentes especialidades das indústrias médicas”, afirmou Daniel Kraft, médico-cientista formado em Stanford e Harvard com mais de 25 anos de experiência em prática clínica, pesquisa biomédica e inovação. “Precisamos de novas maneiras de cooperação e compartilhamento. Mesmo atentos à privacidade, há maneiras inteligentes de compartilhar informações”, acrescentou.

[yuzo_related]

Rolar para cima