Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Israel dá nova esperança aos pacientes com mieloma múltiplo

Israel-da--esperanca-aos-pacientes-com-mieloma-multiplo

Shlomit Norman tinha apenas 42 anos quando os médicos a diagnosticaram com mieloma múltiplo – um câncer de medula óssea sem cura conhecida que raramente atinge pessoas com menos de 65 anos. Na época, o mais novo de seus três meninos tinha 10 anos e poucos pacientes com a doença sobreviveram por mais de dois anos. “Eu disse à minha melhor amiga que ela teria que cuidar do bar mitzvah do meu filho porque eu não achava que estaria por perto”, lembra Norman, que mora em Haifa. Mas, graças a alguns tratamentos inovadores com raízes em pesquisas israelenses, Norman conseguiu sobreviver ao seu prognóstico inicial e hoje, 12 anos depois, leva uma vida relativamente estável.

“Nos primeiros 10 anos após o diagnóstico, eu estava em remissão parcial após o meu primeiro transplante de medula óssea e tive uma fantástica qualidade de vida”, disse ela. “Mas em 2016, recaí e fiz outro transplante. Desde então tomo medicamentos de manutenção. Além de cansaço e entorpecimento nas mãos e nos pés, eu estou bem”.

De acordo com a American Cancer Society, cerca de 13.000 americanos morrem anualmente de mieloma múltiplo – referido popularmente como mieloma e documentado pela primeira vez em 1844. Mas a expectativa de vida típica dos pacientes após o diagnóstico subiu de dois anos para quase 10. Algumas pessoas agora vivem para mais de duas décadas com a doença.

Uma parte significativa do progresso global no tratamento do mieloma múltiplo – em que o corpo produz células plasmáticas em excesso, “expulsando” outros tipos de células sanguíneas, como plaquetas e hemácias, todas necessárias para uma saúde ideal – decorre de pesquisas conduzidas em Israel.

Em 2004, Aaron Ciechanover e Avram Hershko, cientistas do Instituto Tecnológico de Haifa, ganharam o Prêmio Nobel de Química, juntamente com o biólogo norte-americano Irwin Rose, por sua descoberta anos antes do sistema de ubiquitina-proteassoma, um caminho responsável pela degradação de proteínas dentro da célula.

Esta descoberta foi crucial para a criação de toda uma classe de tratamentos chamados inibidores do proteassoma – drogas que retardam a degradação da proteína e, portanto, inibem o progresso do câncer, explicou o Dr. Yael Cohen, chefe dos serviços de mieloma no Hospital Ichilov de Tel Aviv, também conhecido como o Centro Médico Sourasky.

“O Velcade, uma droga que surgiu disso, foi revolucionário e ainda é usado como tratamento de primeira linha para o mieloma na maioria dos lugares ao redor do mundo”, disse Cohen.
Dr. Mark Israel, diretor executivo nacional do Fundo de Pesquisa do Câncer de Israel, que ajudou a financiar a pesquisa da Ciechanover e arrecada milhões de dólares todos os anos por pesquisas sobre o câncer em Israel, disse que os primeiros trabalhos sobre inibidores de proteassoma foram pioneiros na época, mesmo que os cientistas na época não percebessem todas as suas implicações.

“Quando Ciechanover e Hershko receberam o Prêmio Nobel por algo importante, eles não tinham ideia de que descobriram um alvo eficaz de drogas que inibe o mieloma múltiplo”, disse Israel. “Mas se eles nunca tivessem feito o seu trabalho, todos com a doença ainda estariam morrendo rapidamente”.

Agora existem medicamentos de segunda e terceira geração baseados na mesma pesquisa.
Uma contribuição israelense mais recente ao tratamento do mieloma múltiplo foi a invenção da célula CAR-T, baseada nos primeiros trabalhos de Zelig Eshhar, do Instituto Weizmann de Ciência, em Rehovot.

As células T são um tipo de glóbulo branco que ajuda o sistema imunológico humano a combater os micróbios nocivos. As células CAR-T são especialmente células T modificadas projetadas para combater o câncer.

Cerca de 550 pessoas em Israel são diagnosticadas com mieloma múltiplo a cada ano, com cerca de 3.500 pacientes vivendo com a doença a qualquer momento, segundo Norman, que preside a AMEN-Associação Israelense de Pacientes com Mieloma. A organização sem fins lucrativos, fundada em 2005, defende os pacientes com mieloma múltiplo em todo o território de Israel, inclusive oferecendo apoio por meio de reuniões mensais, oficinas de capacitação e um programa ativo.

“Atualmente, as pessoas estão vivendo com mieloma por muito mais tempo do que costumavam”, disse Norman. “Mesmo se eles forem diagnosticados com 40 anos, eles chegarão aos 60 anos”. O mais difícil de viver com mieloma, segundo Norman, é a inevitabilidade de que sua saúde piora. “Por enquanto não há cura, por isso, mesmo quando você está em remissão, você sabe que vai voltar”, disse Norman. “Você não sabe quando ou como, mas cada médico que você pergunta vai dizer: ‘Você vai recair’. Nós sempre carregamos esse medo”.

Enquanto a idade mediana para um diagnóstico de mieloma múltiplo é de 70, alguns pacientes são diagnosticados muito mais jovens. Norman diz é desatualizado pensar na doença como algo que atinge apenas idosos. O mieloma é um dos muitos tipos de câncer que o Fundo de Pesquisa do Câncer de Israel está direcionando através de pesquisas.

“Estamos tentando usar as melhores mentes do mundo para fazer as perguntas fundamentais sobre as células cancerígenas: como elas crescem, como elas metastatizam, como elas invadem o tecido normal e acabam fazendo coisas que deixam as pessoas doentes e levam a morte?” disse Israel do ICRF. “Contribuímos para o fundo de conhecimento em que as intervenções de câncer são baseadas. É aí que o investimento realmente conta”.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[yuzo_related]

Rolar para cima