Israel está se destacando nas pesquisas sobre Parkinson

Uma alta taxa de Parkinson genético torna Israel um laboratório perfeito para encontrar maneiras de prevenir e até mesmo curar esse distúrbio neurológico de rápido crescimento.

Parkinson é uma doença neurológica complexa e progressiva que afeta até 10 milhões de pessoas em todo mundo. E o número de casos vem crescendo rapidamente.

A doença é mais diagnosticada em pessoas com mais de 60 anos, e mais frequentemente em homens. Os sintomas clássicos incluem tremor em cerca de 60% dos casos, rigidez, má postura e movimentos lentos.

Porém, várias décadas antes do diagnóstico, sintomas mais sutis, como distúrbios do sono e perda do olfato, costumam aparecer junto com constipação e disfunção erétil.

Isso ocorre porque aglomerados de proteína alfa-sinucleína estão se agregando no cérebro e no sistema nervoso autônomo, danificando as células dopaminérgicas (produtoras de dopamina) que regem o controle motor, entre outras funções. A perda de células dopaminérgicas eventualmente causa os sintomas clássicos do Parkinson.

A aglomeração de alfa-sinucleína pode ser desencadeada pelo envelhecimento, mutações genéticas, doenças como diabetes e hipertensão, toxinas ambientais como pesticidas e fatores de estilo de vida.

Em todo o mundo, cerca de 10% dos casos têm base genética. Embora a taxa de Parkinson em Israel não seja diferente de outros países, a porcentagem causada por mutações genéticas é muito maior.

“Em Israel, entre os judeus de herança Ashkenazi, 37% dos casos de Parkinson são genéticos”, disse o especialista internacional Prof. Nir Giladi, presidente do Instituto Neurológico do Centro Médico de Tel Aviv.

“Cerca de 10% dos israelenses carregam mutações genéticas que aumentam o risco de Parkinson. Ter um dos pais com Parkinson aumenta o risco três vezes”, diz Giladi, que tratou cerca de 20.000 pacientes com Parkinson ao longo de 30 anos.

“A alta taxa de Parkinson genético de Israel oferece uma oportunidade de fazer de Israel um centro global de pesquisa e desenvolvimento”, diz ele. Algumas descobertas anteriores na pesquisa e no tratamento do Parkinson vieram de laboratórios israelenses. O prof. Moussa Youdim, de Technion, por exemplo, ajudou a desenvolver Azilect e Selegiline para tratar os sintomas de Parkinson. Sua empresa atual, Youdim Pharmaceuticals, está pronta para comercializar o primeiro exame de sangue para diagnóstico e prognóstico de Parkinson; e está desenvolvendo novos medicamentos neuro-restauradores de múltiplos alvos que podem cruzar a barreira hematoencefálica.

A pesquisa da doença de Parkinson está acontecendo em todas as universidades israelenses, com um foco particular na prevenção. “O objetivo é prevenir a doença detectando marcadores para esses genes anos antes que os sintomas apareçam. Eu acredito que seja possível”, explica Giladi.

Mais de 40 cientistas estudam elementos moleculares, genéticos, fisiológicos e genéticos da doença no Centro Familiar Aufzien para a Prevenção e Tratamento da Doença de Parkinson.

“Oferecemos uma estrutura organizacional e de financiamento para que pesquisadores e médicos possam trabalhar juntos e encontrar soluções mais rapidamente”, diz a co-diretora Prof. Karen B. Avraham, especialista em pesquisa genética sobre surdez e vice-reitora da faculdade de medicina da Universidade de Tel Aviv.

Giladi diz que Aufzien “é um centro único que combina a pesquisa básica mais avançada da universidade com pesquisa clínica no Centro Médico de Tel Aviv e alcance comunitário por meio da Associação de Parkinson de Israel para fornecer conhecimento, conscientização e pesquisa baseada no país”.

O novo site do centro convida parentes de primeiro grau de pacientes com Parkinson genético a se registrar, ajudando os pesquisadores a desenvolver um sistema de pontuação para risco e início esperado dos sintomas.

“Nos próximos 10 anos, esperamos ter dezenas de milhares de registrados e segui-los prospectivamente”, diz Giladi. “Por enquanto, estamos sugerindo como modificar seu estilo de vida para diminuir o risco. O exercício reduz o risco em 30%. Uma boa noite de sono, melhora do humor e uma dieta mediterrânea têm um impacto”, explica ele, que continua: “No futuro, esperamos oferecer uma vacina ou outra intervenção para protegê-los de futuras progressões. Alguns genes diminuem o risco de doença de Parkinson e, se pudermos identificá-los, podemos desenvolver medicamentos usando a mesma proteína”.

Giladi diz que cerca de 150 startups israelenses estão desenvolvendo tecnologias para ajudar a prevenir, parar ou até mesmo curar o Parkinson. O Aufzien Center também tem laços estreitos com a Fundação Michael J. Fox para a Pesquisa de Parkinson nos Estados Unidos.

Em 29 de abril, o Aufzien Center fará parceria na primeira Conferência (virtual) de Israel Parkinson, reunindo startups, pesquisadores, médicos, terapeutas de saúde aliados e pacientes e familiares para atividades terapêuticas e atualizações científicas.

“A doença de Parkinson é definida pela degeneração dos neurônios produtores de dopamina. Essa é a marca registrada patológica”, diz Claude Brodski, um renomado pesquisador de Parkinson na Universidade Ben-Gurion do Negev.

“Por muitos anos, estive interessado no desenvolvimento embrionário de células nervosas produtoras de dopamina no cérebro. Minha motivação foi impulsionada pela suposição de que estudar a origem e a história dessas células nos ajudará a entender melhor por que as células produtoras de dopamina degeneram na doença de Parkinson e como podemos evitá-lo”.

Em novembro passado, seu laboratório publicou um artigo na revista Brain demonstrando que as proteínas morfogenéticas ósseas (BMPs) previnem a degeneração dos neurônios produtores de dopamina em modelos animais da doença de Parkinson. Isso indica a possibilidade de que os BMPs possam ser novos candidatos a medicamentos para a doença de Parkinson.

“Na doença de Parkinson, existem muitos medicamentos que tratam os sintomas, mas nenhum medicamento modificador da doença”, disse Brodski.

“Com base em nossas descobertas nesses modelos animais de que os BMPs podem interromper a progressão da neurodegeneração, estamos trabalhando duro para trazê-lo mais perto da clínica”.

Observando essas células nervosas à medida que se desenvolvem e envelhecem, a equipe procura traços comuns de diferentes tipos de doença de Parkinson, bem como as funções de vários genes no processo.

Stern observou mudanças patológicas, como uma redução na conectividade sináptica entre os neurônios, ocorrendo antes que o paciente apresentasse os sintomas.

“Os pacientes com doença de Parkinson têm uma morte celular neuronal grave que é mais específica para áreas do cérebro que são compactadas com neurônios dopaminérgicos”, diz ela.

Stern está desenvolvendo estruturas 3D que se assemelham a uma dessas áreas do cérebro como uma nova plataforma para testar possíveis tratamentos, como moduladores do receptor de dopamina. Ela pretende construir um algoritmo que possa prever o início e a gravidade da doença na fase pré-sintomática.

Amit Abraham, do departamento de fisioterapia da Ariel University, tem um novo laboratório de imagens mentais e potencial corporificado humano que estuda como diferentes tipos de imagens mentais ajudam a reabilitar pacientes com uma variedade de condições físicas e melhorar o desempenho de dançarinos e atletas.

“Para a reabilitação da doença de Parkinson, a imaginação mental é uma ferramenta inovadora e promissora”, diz ele. “Parkinson é uma doença multifacetada conhecida principalmente por causar lentidão de movimento, rigidez, disfunções de equilíbrio e tremor de repouso. Mas cerca de 60% também têm déficits sensoriais e cognitivos que são menos comentados. Achamos que as imagens mentais resolveriam esses déficits além dos motores”.

Durante seu pós-doutorado na Emory University School of Medicine, Abraham desenvolveu uma intervenção piloto para pessoas com doença de Parkinson com base no método Franklin de imagens neurocognitivas dinâmicas. Seu objetivo era corrigir representações mentais distorcidas do corpo que podem piorar os déficits motores e cognitivos.

“Concentrei-me na pelve, coluna e extremidades inferiores. Por duas semanas, cinco sessões por semana durante duas horas por dia, as pessoas com doença de Parkinson fizeram um protocolo de imagens neurocognitivas dinâmicas que incluía movimento e imagens. Mostramos uma ampla gama de efeitos benéficos para sintomas motores e não motores”. Os resultados foram publicados na Neural Plasticity em 2018 e na Complementary Therapies in Medicine em 2019. Abraham está agora trabalhando no desenvolvimento de um conjunto de protocolos.

Enquanto isso, o pesquisador de Bar-Ilan, Adam Zaidel, está estudando como os dispositivos de aumento sensorial ou retreinamento sensorial podem ajudar os pacientes de Parkinson a superar a deterioração da percepção visual do automovimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *