Israel pode se tornar líder global em tecnologia de alimentos

A região da Alta Galiléia de Israel está se posicionando para se tornar um líder global em tecnologia de alimentos. Vários aceleradores e empresas de tecnologia de alimentos e agrotecnologia se estabeleceram na “periferia” do norte de Israel, onde o governo israelense oferece incentivos para que indivíduos e empresas se instalem.

A região possui terras abertas e férteis que geram alguns dos principais produtos de Israel, bem como um ecossistema de infraestrutura em desenvolvimento – órgãos públicos e corporações, instituições acadêmicas líderes, fundações filantrópicas locais e internacionais, startups e empresas de alta tecnologia.

Recentemente, o empresário e investidor israelense Erel Margalit lançou um centro internacional de tecnologia de alimentos na Galiléia que pode servir como um ímã para outras empresas, trazendo assim novos talentos e prosperidade para a região.

“Estamos testemunhando a próxima revolução em Israel. Foodtech é a próxima cibernética e acredito que Israel está se tornando uma superpotência no campo”, disse Margalit, fundador e presidente executivo da Jerusalem Venture Partners e Margalit Startup City Galil. “Estamos criando um motor de crescimento econômico que mudará a vida de jovens e famílias, com 30 mil empregos de alta remuneração em tecnologia, como no centro do país, e outros 70 mil empregos auxiliares”.

Russell Robinson, CEO do Jewish National Fund-USA – um parceiro nessas iniciativas e que está ajudando a desenvolver terras em Israel de norte a sul –, afirmou: “Deste dia em diante, Kiryat Shmona nunca deve ser chamado de ‘cidade de desenvolvimento.’ Não, Kiryat Shmona e a maior área do Alto Leste da Galiléia fazem parte da capital da culinária e da indústria alimentícia de Israel … isso não é mais um sonho, é a realidade”.

A Startup City trabalhará para resolver alguns dos problemas mais urgentes do mundo, incluindo a segurança alimentar e a batalha contra a mudança climática, por meio da inovação em tecnologia de alimentos e do know-how bem estabelecido de Israel em inovação agrícola e tecnologia de água.

De acordo com Nisan Zeevi, CEO da Margalit Startup City Galil, considerando o crescimento populacional global projetado, a produção de alimentos precisará aumentar em 70%, exigindo que a agricultura encontre uma maneira de crescer mais com menos, empresas iniciantes criem soluções inovadoras e empresas de alimentos mudem. A produção de carne, em particular, disse Zeevi, está esgotando o planeta e, juntamente com a indústria de laticínios e ovos, é responsável por mais de 18% das emissões de gases de efeito estufa.

Quatorze empresas israelenses já aderiram ao acelerador Startup City, incluindo várias que trabalham para inovar a indústria global de carne, que Margalit representou como um “perigo para o meio ambiente em que vivemos.” Por exemplo, a PlanTeam produz uma proteína à base de soja versátil que tem textura, sensação na boca e sabor semelhantes (com a ajuda de um pouco de tempero) à carne sem aditivos e conservantes. Outra startup, a Blue Huna, produz alternativas ao plástico descartável, incluindo palhas biodegradáveis e reutilizáveis de talos de trigo e cana.

Outra iniciativa culinária local com abordagem internacional, o novo Galilee Culinary Institute, visa reinventar a educação culinária com sistemas integrados e imersivos e experiências educacionais baseadas na comunidade que alavancam a tecnologia e a aprendizagem híbrida. Em colaboração com a JNF-USA, o campus está se preparando para abrir sua aula inaugural no outono de 2022 ou no início de 2023. O programa acelerado de 12 meses possui uma infraestrutura impressionante, incluindo várias cozinhas e um laboratório multimídia para criação de conteúdo e operações de alimentos onde os alunos aplicarão as lentes conceituais de ativismo, narração de histórias e empreendedorismo em sua aprendizagem experiencial e treinamento técnico.

O GCI se tornará a primeira escola de culinária internacional em Israel e proporcionará aos alunos a oportunidade de explorar a rica diversidade da Galileia. A região é o lar de mais de 80 culturas, observou Robinson – um ecossistema de indústrias, academia, empreendedorismo, startups e comunidade – ao mesmo tempo que apoia negócios locais e crescimento regional.

Por meio de um programa de certificação e cursos, o CEO da GCI, Nathan Hoffman, compartilhou sua esperança de que a escola de culinária “repense o norte como a capital alimentar de Israel e ajude os alunos a desenvolver um caminho pessoal e profissional – um que pode capacitá-los a serem capazes de trabalhar em restaurantes com estrelas Michelin”.

Fonte: Israel Hayom e Israeltrade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digite os caracteres da imagem no campo abaixo *