Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Livro que inspirou “Jojo Rabbit” é mais dramático do que satírico

Livro que inspirou

“O céu que nos oprime”, livro que inspirou o filme “Jojo Rabbit”, foi lançado originalmente em 2004 e chega agora ao Brasil, pela editora Bertrand, na esteira no filme e dentro do nicho best-seller de publicações sobre a Segunda Guerra Mundial.

É o segundo livro de Christine Leunens – ela estreou em 1999 com “Primordial Soup” -, mas o primeiro a ganhar repercussão internacional. Os direitos de “O céu que nos oprime” já foram vendidos para mais de 20 países e ele começa a ser publicado mundo afora. O livro também ganhou adaptação para o teatro na Nova Zelândia, onde a autora, que nasceu nos Estados Unidos, vive.

A história, mais dramática do que satírica, ao contrário do filme, é narrada por Johannes. Nascido em Viena em 1927, ele faz parte da ala júnior da Juventude Hitlerista, e concorda com os ideais nazistas, até que descobre que seus pais escondem uma jovem de origem judaica atrás de uma parede falsa em casa. Eles desaparecem e o garoto, ora horrorizado pela presença da moça e ora obcecado por ela, ora amando Elsa e ora a odiando, percebe que é o único que sabe de sua existência. A história acompanha a guerra, claro, mas aborda, principalmente, os dilemas morais e éticos – e fala sobre verdades e mentiras.

Em entrevista recente a um veículo americano, a autora disse que seu livro se torna “relevante” neste momento de angústia com relação ao futuro – por causa do digital, das mudanças climáticas, da migração, da instabilidade econômica, do terrorismo, do racismo e da ascensão da extrema-direita no mundo todo. “As pessoas não se sentem mais tão seguras como quando caiu o Muro de Berlim”.

Ela comentou também a questão do humor. “Nós buscamos o nosso próprio equilíbrio entre drama e humor – o diretor Taika Waititi pendendo mais para o humor e eu para o drama. Mas é geralmente depois de uma risada que somos levados de volta para uma realidade onde as coisas não estão certas, para emoções profundas e tristes, como quando tomamos conhecimento da situação absurda e trágica de Johannes e Elsa”, disse a escritora.

Filha de mãe italiana e pai belga, Christine passou a juventude na Europa, onde foi modelo fotográfica de importantes marcas. Fez mestrado em Harvard, trabalha num romance histórico que se passa entre a França e a Nova Zelândia e, aos 55 anos, é violinista da Orquestra Sinfônica de Nelson.

[yuzo_related]

Rolar para cima